Warning: Creating default object from empty value in /home/textolivre/web/templates/js_elated/wright/doctypes/default.php on line 206

Warning: Creating default object from empty value in /home/textolivre/web/templates/js_elated/wright/doctypes/default.php on line 206

Warning: Creating default object from empty value in /home/textolivre/web/templates/js_elated/wright/doctypes/default.php on line 206
O Canto da Coã
Ajude a manter o TextoLivre.

O Canto da Coã

                                         O Canto da Côa

 

                       As manhãs  na  fazenda Correio, onde passei grande parte de minha  infância, eram lindas e contagiantes; acordava-se com o cantar harmonioso dos pássaros e da bicharada.  Madrugada do canto da cotovia e do sabiá de laranjeira; aí começava a mistura de cantos da passarada com o berrar de bois,vacas, cabritos, o balido de ovelhas e carneiros, os gruídos de porcos, e, bem distante, lá no fim do vaquejador, ela infalivelmente, remata toda essa sinfonia  campestre, o canto melancólico da seriema, vibra nas alturas o seu canto gutural.       

                  Tenho   saudade  de   recordar   tristonho  o  passado  infantil   que   a   memória nunca  ofuscou. São sonhos que vivo e revivo avelhantado com o meu planger pensativo...Ah! Quem me dera ser hoje o ser de ontem... Oh! Como me rememora o canto taciturno dos anus  branco e preto, naquele sol senegalês do sertão baiano, que parecia tremer com a evaporação  do solo.

                Embora  exista ainda hoje o canto de uma ave que assustava ao sertanejo  com o seu canto  lúgubre e prenúncio bom ou mau. Era uma ave de tamanho médio, mais ou menos o tamanho de uma pomba juriti; bico curto, cor parda com pinta preta no peito e  cabeça parda. Ela só cantava, - dizia o sertanejo – para anunciar  presságio alegre ou triste.Se cantasse no topo de uma árvore verde era bom presságio e no de uma árvore seca era mau presságio.Ela sentava nas árvores mais altas, e, seu porte elegante e majestático dava-lhe uma espécie de ave nobre.Cabeça erguida e postada de forma graciosa.

              Lembro-me ainda o dia em que a vi cantar pela primeira vez, era uma tardinha aonde o crepúsculo solar já se ia descendo por detrás da verdejante mata.

             Corremos todos para procurá-la, logo ao lado direito da entrada do curral estava ela lá no topo de uma árvore seca no seu último galho, toda imponente a cantar.Coã...coã...coã...ela ficou  ali a cantar mais ou menos uns cinco minutos e voou na direção norte, segundo o sertanejo – de onde vinha má notícia.   

            Voltamos todos calados um olhando para outro com certo receio. Minha mãe falou que aquilo era bobagem que nada ia acontecer de ruim é cisma dessa gente supersticiosa,falava sem convicção, só para nos animar.

           Depois de tomarmos banho, o jantar já estava na mesa e jantávamos   alegres   quando  ouvimos o   atropelo de animal   que logo parou na porta da casa.Chegava o meu primo Leopoldo, trazendo a notícia da morte de meu tio Suplício, irmão de minha e quem a criou, vez que minha avó havia falecido do parto de minha mãe.

         Ficava assim delineado o canto da côa. A notícia veio do norte.

                   Coincidência ou não, aconteceu.                            
 
© 2011 Texto Livre - Joomla! is Free Software released under the GNU/GPL License.

Compartilhe

 
Joomla Tutorial at JoomlaShack.com