Ajude a manter o TextoLivre.

A FORMIGA MÁ - Fabulas de Monteiro Lobato

A FORMIGA MÁ -

Já houve, entretanto, uma formiga má que não soube compreender a cigarra e com dureza a repeliu de sua porta.

Foi isso na Europa, em pleno inverno, quando a neve recobria o mundo com seu cruel manto de gelo.

A cigarra, como de costume, havia cantado sem parar o estio inteiro e o inverno veio encontrá-la desprovida de tudo, sem casa onde abrigar-se nem folinha que comesse.

Desesperada, bateu à porta da formiga e implorou - emprestado, notem! - uns miseráveis restos de comida. Pagaria com juros altos aquela comida de empréstimo, logo que o tempo o permitisse.

Mas a formiga era uma usurária sem entranhas. Além disso, invejosa. Como não soubesse cantar, tinha ódio à cigarra por vê-la querida de todos os seres.

- Que fazia você durante o bom tempo?

- Eu... eu cantava!...

- Cantava? Pois dance agora, vagabunda! - e fechou-lhe a porta no nariz.

Resultado: a cigarra ali morreu entanguidinha; e quando voltou a primavera o mundo apresentava um aspecto mais triste. É que faltava na música do mundo o som estridente daquela cigarra, morta por causa da avereza da formiga. Mas se a usurária morresse, quem daria pela falta dela?

"Os artistas - poetas, pintores, músicos, escritores - são as cigarras da humanidade".

Pesquisa e postagem de Nicéas Romeo Zanchett - artista plástico.

NÃO DEIXE DE LER O artigo > A CIGARRA E A FORMIGA de ESOPO >>>

http://www.textolivre.com.br/artigos/15745-a-cigarra-e-a-formiga

ATENÇÃO >>> O autor original das fábulas foi ESOPO - Veja em >>>

http://asfabulasdeesopo.blogspot.com  Você vai adorar.

 

 

 

 

 
© 2011 Texto Livre - Joomla! is Free Software released under the GNU/GPL License.

Compartilhe

 
Free Joomla Templates: from JoomlaShack