Ajude a manter o TextoLivre.

10 coisas que todo adolescente deve saber

10 coisas que todo adolescente deve saber

 

Fui adolescente há pouco tempo atrás. Lembro-me que vivia cheio de dúvidas acerca das transformações do meu corpo. Não me contentava com respostas simplórias. Curioso do jeito que sou, consegui elucidar muita coisa, pesquisando nos livros ou conversando com pessoas que já passaram por tudo que estava passando.

Hoje vejo muitos adolescentes com os mesmos questionamentos: porque sou assim e meu amigo é diferente? Dá para mudar o biótipo do meu corpo? O que fazer com meus instintos sexuais? Com este texto, buscarei responder estas e outras perguntas.

 

Acho meu pênis pequeno demais. Tem jeito de mudar isso?

Já falei aqui sobre isso, mas ouso lançar novas luzes sobre o assunto.

Os médicos são unanimes em afirmar que, para ser considerado pequeno, um pênis deve medir menos de 6 cm quando ereto. A grande problemática acerca do assunto surge quando os adolescentes tentam medir seu pênis quando este está em repouso. E nessas condições, não importa tanto o tamanho que ele ousa ostentar.

A testosterona é a grande vilã. Aliás, a falta dela é quem dificulta o desenvolvimento dos órgãos sexuais masculinos. Pênis pequeno é sinal de pouca testosterona no organismo.

O pênis para de crescer no final da adolescência, que varia de pessoa para pessoa. É ilusão usar remédios para aumentá-lo ou fórmulas milagrosas que prometem tal feito. Existe uma cirurgia (perigosa, por sinal) que aumenta o tamanho do pênis em até 3 cm. Os médicos não são otimistas com relação a ela, porque é grande o risco de impotência depois do procedimento. Além do mais, é melhor ter um órgão pequeno funcionando, do que um grandão preguiçoso.

A solução mais sensata é parar de se comparar com os outros e caprichar para agradar a companheira.

 

Tenho testículos pequenos. Isso é um problema?

Nem sempre. Os testículos crescem até o final da adolescência. A testosterona é o fermento de tal crescimento. Só um exame minucioso poderia dar certeza se o tamanho dos testículos de um adulto está dificultando ou não a sua real função. No entanto, é bom lembrar o seguinte: os testículos são responsáveis, entre outras coisas, por fabricar e armazenar os espermatozoides. Levando em conta que a quantidade de esperma de um adulto é equivalente a duas colheres de sopa, não é preciso ostentar duas super bolas para guardar este líquido da vida. Se os testículos forem pequenos, mas a fabricação de esperma estiver em dias, não há problema nenhum.

O que é polução noturna?

Deus foi inteligentíssimo quando criou o ser humano. As mulheres, quando não estão grávidas, menstruam. Os homens, quando estão há um bom tempo sem ter relações sexuais, liberam o esperma durante o sono. Polução noturna é uma maneira inteligente que o organismo encontrou para “compensar” a falta de sexo.

Boa notícia para os solteiros: ninguém morre se fica sem sexo. Ele é importante, mas não é tudo.

O que fazer com meus instintos?

Os instintos sexuais foram criados por Deus, e como tal, não podem ser negligenciados. São momentos especiais na vida de todo adolescente, onde se descobre a beleza de estar com alguém. Quando ele aparece, é sinal de que nosso corpo já está preparado para gerar uma nova vida. Assim, é preciso cuidar bem dele.

Cuidar? Isso mesmo, não permitir que a boiada saia fazendo estragos por ai. Como isso é possível? Não cedendo a todo desejo sexual que nos aparece. Repare que a maioria deles vem sem a nossa permissão… Basta passar uma pessoa bonita, nosso olhar demorar mais um pouco sobre ela e pronto: fez-se a tentação!

Mas não é só isso. Quem quer viver corretamente sua sexualidade precisa se lembrar de que quem meche com fogo está querendo é se queimar, ou seja, o instinto sexual aumenta quando buscamos fontes de estímulos (filmes pornográficos, imagens de nudismo, músicas de duplo sentido). Num mundo tão erotizado como o nosso, controlar os instintos é semelhante ao vaqueiro que doma o boi na vaqueja: difícil, mas compensador.

Faz mal se masturbar?

Depende. A Igreja Católica reprova a pratica da masturbação, pois ela (a masturbação) impede que a pessoa viva sua sexualidade da maneira correta, qual seja, aberta a procriação. O que vou apresentar agora é minha opinião e certamente não é em plenitude o que a Igreja Católica ensina e acredita.

A prática da masturbação consiste na estimulação voluntaria dos órgãos sexuais para obter prazer. É momento de intensa intimidade consigo mesmo, onde experimentamos a alegria do gozo que nos é propiciado por tal prática. Crianças o fazem involuntariamente. Já os adolescentes, com os instintos a flor da pele, buscam nesta prática um meio de autodescoberta.

Nas sábias palavras do Padre César Moreira: “… a masturbação se opõe ao ato sexual partilhado. É um ato sexual solitário, cuja a finalidade é o prazer em si. Por esta razão e neste caso, a masturbação deve ser evitada. Se o ato acontece como fuga, como descarga afetiva e física, não malícia e como tal não é pecado”.

O “perigo” da masturbação está no isolamento. É quando o adolescente se tranca em si mesmo e não busca a companhia de outras pessoas. Se a masturbação é realizada como forma de descarga das energias, ou autoconhecimento e não como fuga da realidade, (penso eu) não faz mal e não é pecado. (mas claro, posso estar completamente errado…)

Com quantos anos devo “perder” a virgindade?

Nenhum adolescente deveria se preocupar com isso. Não existe uma idade certa para a primeira relação sexual. Ela (a relação) só deve existir quando o jovem tem consciência que conhece o seu corpo e sabe muito bem o que está fazendo. Explico.

Conhecer o corpo significa saber a função de cada órgão que nele existe. Se muitos adolescentes mal conhecem o funcionamento do próprio corpo, o que dizer então do corpo da outra pessoa. Meninos são estimulados a jato. Meninas precisam ser “preparadas” com calma. Para o homem, o sexo vem em primeiro lugar; para as mulheres, ele é um complemento.

Mas como se aprende tudo isso? No tempo certo, com a pessoa escolhida para nossa primeira relação sexual e com a leitura de bons livros. Indico o livro de João Mohana: A Vida Sexual dos Solteiros e Casados (editora Loyola).  Nele, o autor (médico) traz uma vasta descrição do funcionamento do corpo masculino e feminino e até indica como o rapaz deve fazer para “deflorar” sua esposa na lua de mel. É um relato corajoso e de muito bom gosto.

Portanto, ninguém deve se sentir pressionado a perder sua virgindade. Ninguém se torna mais feliz porque deixou de ser virgem nem tampouco os virgens são mais felizes do que os que não o são mais. A verdadeira felicidade consiste em nos amarmos do jeito que somos, sem jamais querer colocar a carroça na frente dos bois para agradar a quem quer que seja.

 

De onde vem a homossexualidade?

O tema homossexualidade é sempre controverso. De um lado, há os defensores da sexualidade livre, ou seja, dizem que cabe a própria pessoa escolher com quem quer se relacionar, mesmo que seja uma pessoa do mesmo sexo. Há também os que reprovam a homossexualidade, por que sabem que Deus criou o homem para a mulher e, portanto, não faz sentido pensar de maneira diferente.

Acredito sinceramente que ninguém nasce “gay”. Vejo a educação como a grande vilã. A psicologia também acredita nisto. Segundo os estudiosos, um pai ausente e uma mãe protetora em demasia poderão influenciar negativamente um filho sobre a vivência correta da sexualidade. Exemplos não faltam.

Então, ninguém nasce predestinado a ser um homossexual. Deus nos criou na mais perfeita harmonia, mas deu liberdade ao homem para escolher seu futuro. Infelizmente, ainda não compreendemos completamente os fenômenos envolvidos na problemática da homossexualidade e, justamente por isso, é sempre perigoso apontar o dedo e condenar as pessoas que sofrem deste dilema.

A Igreja Católica aconselha que os homossexuais fugam das práticas homossexuais e vivam a castidade. O adolescente que percebe um interesse por pessoas do mesmo sexo deveria buscar o aconselhamento com um bom psicólogo e, quem sabe, reeducar sua conduta sexual para uma vivência mais plena e feliz.

O que é o hímen?

Toda mulher tem (ou já teve) um. O hímen é um pequeno enervado presente na abertura vaginal das mulheres que nunca se relacionam sexualmente. Geralmente ele é rompido quando o homem coloca o pênis dentro da vagina. Mas nem sempre isso acontece. Há um tipo “diferente” de hímen, chamado de complacente, que não se rompe com muita facilidade. Em alguns casos, é preciso que o médico realize uma pequena cirurgia, com o objetivo de deflorar a mulher, rompendo o tal hímen.

Como ter um corpo mais “encorpado”?

A busca pelo corpo perfeito não é de agora. Olhemos as obras dos artistas da antiguidade e veremos que todos eles se preocuparam em retratar o ideal de corpo “sarado”. Hoje, esta busca se torna evidente com o crescimento dos frequentadores das academias. Ter um corpo em forma é tão importante quanto ter uma boa formação escolar.

Mas verdade seja dita: muitos exageram na dose. Vivem na paranoia de se comparar com os outros e nunca se sentem satisfeitos com o que veem no espelho.

Na adolescência, o corpo cresce de maneira disforme. Nem sempre ostentaremos um braço musculoso, uma perna de jogador de futebol e uma barriga de lavar roupa. Mas podemos fazer nossa parte para que cheguemos a um corpo saudável e longe da magreza esquelética.

Um bom começo: aprenda a se alimentar. Jamais passe da hora de comer e invista em seis refeições diárias. Priorize as frutas, verduras e carnes brancas e beba muita água. Fique longe dos remédios que prometem “inchar” os músculos, pois eles danificam os rins.

Todo mundo precisa se casar?

A resposta é não. Tem gente que não nasceu para a vida a dois. O casamento é uma instituição sagrada, onde marido e mulher se comprometem a viver juntos até que a morte os separe. Com o casamento, tudo muda na vida do ex-solteiro. Os filhos surgem, as responsabilidades crescem. Casamento não é uma brincadeira que as meninas sonham e os meninos temem: casamento é algo real, que merece reflexão antes de embarcar em suas águas.

Conheço muita gente casada e infeliz. Eram muito mais felizes solteiras e não sabiam. Ou, se sabiam, preferiram se arriscar. E quem quis brincar de casamento sempre saiu ferido ou pior: deixou muitas pessoas feridas.

Ninguém pode temer o casamento, mas também ninguém pode se casar porque é cobrado para isso. Só deve subir ao altar quem se sente comprometido a fazer a outra pessoa feliz. E só assim será feliz na vida a dois.

Penso que o insucesso de muitos casamentos reside aqui: pensa-se que o casamento é a solução para os problemas de casa (casa dos pais). E isso não é verdade. Sair da casa dos pais é necessário para quem quer crescer, mas nunca para quem pensa em fugir.

Portanto, casamento é algo importante, mas nem todo mundo nasceu com “paciência” para encará-lo. Essas pessoas devem se dedicar ao máximo para se descobrirem como alguém dependente do outro e, quem sabe, um dia descubram que já estão preparadas para subir ao altar.

 

 

PARA SABER MAIS

LIVROS:

“A vida sexual dos solteiros e casados” de João Mohana (editora Loyola)

“Namoro” de Felipe Aquino (editora Cleofas)

“O sexo que Deus lhe deu” de Padre Zezinho (editora Paulus)

DVD

Carol e Rafa: educação sexual na adolescência (editora Paulinas)

 
© 2011 Texto Livre - Joomla! is Free Software released under the GNU/GPL License.

Compartilhe

 
Joomla Training by JoomlaShack.com